Miguel Alcade Bridal Atelier | As joias da coroa francesa
11831
post-template-default,single,single-post,postid-11831,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

As joias da coroa francesa

As joias da coroa francesa

Outro dia me bateu uma inquietação… Fala-se tanto das Joias da Coroa Britânica, Holandeza, Espanhola, Portuguesa… E daí me veio a questão: e as peças da Coroa da França? Resolvi investigar e me deparei com uma história fascinante, que revela, sobretudo, o poder da joalheria.

Em 1887, os tesouros que pertenceram aos reis e as rainhas da França foram destinados a um leilão. O governo da Terceira República (foi o regime republicano que vigorou na França entre 1870 e 1940) criou um evento para se livrar das joias, rotulando-as de frívolas e “desprovidas de utilidade e valor moral”.

Antes que vocês fiquem indignadas, meninas, é preciso compreender que a razão desse “ódio às joias dos reis” vinha de uma sociedade que havia praticamente acabado de passar pela Revolução Francesa. Esse evento marcou para sempre a vida não só da França, como do mundo, pois garantiu ao homem comum os mesmos direitos e privilégios que os reis. E para nós, simples mortais, digamos que isso não foi nada mal, certo? Afinal é justo que todos nós mereçamos luxo, riqueza e poder, não é mesmo? rsrsrs.

 

Agora vejam só a força da joalheria! Quando o governo tomou a decisão de vender esse tesouro da nação, os joalheiros franceses ficaram indignados, afinal cada peça desse acervo era parte do legado histórico de um período importante do país. Cada gema, cada joia, além do seu valor material, tem um enorme valor histórico para a França. E foi assim que o governo concordou em separar um pequeno grupo de itens a serem mantidos pelo estado.

Entre as que pertenceram na França está o diamante regente de 140,64 quilates estava nesse lote que foi mantido pela França. A gema foi comprada por Louis XV, e posteriormente Napoleão mandou cravejá-lo no punho da sua espada. Outra peça importante dessa coleção é um broche com dois diamantes, que hoje pode ser apreciado pelo grande público no Museu do Louvre. A última pessoa usufruir das Joias da Coroa Francesa foi a elegante Imperatriz Eugénie, esposa de Napoleão III. Ela teve várias peças da coleção desmontadas e refeitas por grandes joalheiros. As criações feitas para ela eram marcadas por uma mistura deslumbrante de estilos contemporâneos mais elegantes da sua época.

Infelizmente muita coisa foi vendida, mas várias peças foram registradas em um catálogo feito na época para o leilão e é por ele que podemos ver a grandiosidade dos artistas joalheiros dessa época. E quem pensava que aquelas peças eram apenas joias… É porque não sabe da missa a metade o que cada peça pode representar na história de uma pessoa. Talvez as joias sejam o único legado histórico que alguém pode deixar.

Beijo, Beijo!

Miguel Alcade

 

No Comments

Leave a Comment