Miguel Alcade Bridal Atelier | Fife, uma tiara que é pura arte
11857
post-template-default,single,single-post,postid-11857,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Fife, uma tiara que é pura arte

Fife, uma tiara que é pura arte

Meninas, sabiam que as joias também são como as pessoas? Algumas são tão especiais que, quanto mais a gente vê, mais a gente se apaixona… Verdade! Vou mostrar aqui para vocês uma dessas suntuosidades que me conquistou e que, cada vez que a revejo, mais eu me apaixono e vejo detalhes que antes não tinha reparado.

Para mim, a tiara Fife é uma peça que representa o estado da arte. A joia está num nível de sofisticação de design, gemas e produção que vão além do que peças desse naipe costumam ostentar. Ela é uma das mais impressionantes tiaras da extensa coleção da família real britânica, tendo sido entregue à princesa Luísa, filha do rei Eduardo VII e da rainha Alexandra, como presente de casamento em 1889. O marido de Louise havia herdado o condado de Fife quando seu pai morreu, e a rainha Vitória fez dele o duque de Fife pouco antes do casamento.

A Tiara foi criada com centenas de diamantes que variam em peso de um a 10 quilates. Além do tamanho, absolutamente todas as pedras possuem um grau de pureza, corte e cor excepcionais. O design é impecável e também possui uma engenharia que o tornam especial. Apresenta uma linha de diamantes em forma de gota, que brilham presos apenas por uma de suas pontas, o que confere um certo movimento às pedras, fazendo com que elas soltem faíscas de tanto brilho.

Para se ter ideia de quanto essa joia é especial, uma edição da The Graphic, publicada em agosto de 1889, descreveu a tiara da seguinte forma: “em um design muito incomum e bonito, composto de centenas de pedras, os diamantes giram em pivôs para que eles pisquem a cada movimento da cabeça”. Outra reportagem contemporânea descreve a Fife como “uma massa de diamantes e um dos trabalhos mais valiosos da Inglaterra”.

Por muitos anos, a tiara não foi fotografada, e muitos temiam que ela talvez fosse vendida em particular e se perdesse dos olhos do grande público. A morte do terceiro duque de Fife, no verão de 2015, fez crescer esse temor, mas em 2017, o Arts Council England publicou seu relatório um programa para a transferência de importantes obras de arte para propriedade pública. Felizmente a Fife estava nessa lista e hoje pertence ao povo britânico. Desde 2018 ela pode ser vista no Palácio de Kensington. Uma maravilha! Quem pensando em passar por Londres, fica a dica para programar uma visita ao museu. Vale a viagem!

Beijo, beijo!

Miguel Alcade

 

Tags:

No Comments

Leave a Comment