Miguel Alcade Bridal Atelier | As joias Tutti Frutti da Cartier
10047
post-template-default,single,single-post,postid-10047,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

As joias Tutti Frutti da Cartier

As joias Tutti Frutti da Cartier

Inspirado pelo espírito genuíno do carnaval, que transborda cores, exuberância e alegria, me lembrei de uma das coleções de joias mais incríveis e icônicas da Cartier, a Tutti Frutti. Trata-se de uma linha de joias excepcionais, deslumbrantes, um verdadeiro marco na história da joalheria. Eu particularmente adoro e acho bastante inspiradoras, pois combinam pedras preciosas de cores marcantes, no melhor estilo “junto e misturado”, mas de uma maneira única e absolutamente sofisticada.

Para se ter ideia, essas preciosidades são ainda hoje  muito cobiçadas entre os colecionadores de joias do mundo inteiro. Uma das pulseiras desse estilo, que pertenceu a Evelyn Lauder, foi arrematada por US $ 2,1 milhões na Sotheby´s, em 2014.

Mas a Cartier teve uma fonte de inspiração riquíssima para criar essa linha, nada menos que a Índia. Tudo começou em 1901, quando a rainha Alexandra, ao receber três vestidos de Mary Curzon, esposa do vice-rei da Índia, pediu a Cartier de Paris para criar um colar que se harmonizasse com o estilo dessas roupas, usando joias indianas dadas como presentes na Coleção Real. Desse pedido foi criado um elegante colar com 71 pérolas, 94 esmeraldas e duas esmeraldas quadradas descritas como “talismãs”.

Esta empreitada desencadeou uma nova direção criativa para a Cartier, assim como um longo e frutífero relacionamento com a Índia. Em 1911, Jacques Cartier fez sua primeira viagem ao país onde se encontrou com líderes indianos, que pediram ao joalheiro que criasse novas coleções de joias.

O contato direto com a joalheria tradicional indiana, marcada pela exuberância da mistura de cores, além de motivos florais e os diferentes tipos de lapidações de pedras, influenciaram profundamente os designers da grife. E não poderia ser diferente. Eu mesmo me rendi a esse fascínio quando estive na Índia e tive a oportunidade de vivenciar a força e a vibração dessa terra exótica e cheia de contrastes. Para nós que criamos joias, esse será sempre um país irresistível e profundamente inspirador.

Beijo, beijo!

Miguel Alcade

Sem Comentários

Deixar um comentário