Miguel Alcade Bridal Atelier | As safiras mais famosas da história
8899
post-template-default,single,single-post,postid-8899,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

As safiras mais famosas da história

As safiras mais famosas da história

Série Safira: capítulo 3

Como eu já comentei com vocês, a safira é uma gema preciosa cobiçada há séculos, desde as mais antigas civilizações. A procura pela gema de azul profundo marcou a história joalheira com joias extremamente significativas e impressionantes, e são justamente elas as grandes protagonistas desse artigo.

Uma dessas safiras que estão consagradas na história e que já foi falado nessa série é o anel de noivado de Lady Di e que agora pertence à Kate Middleton. Entretanto, o que não foi explicado é a história linda que está por traz da joia. A história começa em 1981, quando Lady Diana se encantou com uma joia que era vendida para o público em geral – essa peça, que foi escolhida como o anel de seu noivado, gerou certo espanto na realeza, já que a tradição era que uma joia fosse desenhada exclusivamente para ela.  A escolha de Diana conquistou ainda mais o mundo e fez desse anel um símbolo de sofisticação e simplicidade.

Viajando mais um pouco mais na história da joalheria, temos também o exemplo do famoso anel de noivado de Josefina Beauharnais, presente de nada mais nada menos que Napoleão Bonaparte em 1796. A joia de ouro apresentava 18 milímetros de diâmetro, com um diamante e uma safira, esculpidos em corte pera. Além disso, a joia contava com a inscrição “você e eu”. O anel de Josefina era relativamente simples, já que na época Bonaparte não tinha muito dinheiro e Napoleão ainda era uma jovem oficial. Contudo, a joia ganhou tamanha representatividade histórica que, em 2013, foi leiloada por 896.400 euros, quase R$ 2,4 milhões de reais, durante um grande leilão organizado pela casa Osenat Leilões.

Outras duas safiras importantes na história são Stuart e St. Edward, hoje parte da Coroa Imperial Britânica. Enquanto a safira St. Edward está localizada no meio da cruz da coroa, a Stuart fica na parte de trás da coroa. Apesar de essas serem as safiras mais importantes da coroa imperial, ela ainda conta com 19 safiras cravadas em toda estrutura, uma verdadeira obra de arte.

Para finalizar, não posso deixar de citar o famoso anel do Rei Salomão (1000-931 a.C.), que era conhecido por sempre levar uma safira que, segundo a lenda lhe garantia poderes divinos. E, por falar em poderes divinos, Helena de Troia, considerada a mulher mais bela do mundo de acordo com a mitologia grega, era possuidora de uma enorme safira com asterismo. Não é à toa que as joias com safiras são tão especiais: são joias que representam a beleza e, sem dúvida, dignas de rainha!

Beijo, beijo,

Miguel Alcade

 

Tags:

Sem Comentários

Deixar um comentário